Popular Posts

Google+

Feed

Seguidores


Quem leu O Nome do Vento e O Temor do Sábio provavelmente está muito ansioso para pôr as mão no terceiro livro das Crônicas do Matador do Rei de Patrick Rothfuss. Mas esse livro não é pra você.
The Slow Regard of Silent Things, ou A Música do Silêncio como ficou na versão brasileira, é uma história da Auri, personagem dos livros, e do mundo dela, sobre o mundo dela, eu diria.

Apesar de não conter nenhuma linha narrativa normal e ser quase que completamente alheia a história de Kvothe, talvez o leitor mais dedicado consiga identificar algumas coisas interessantes sobre uma das grandes atrações dos livros, o nome das coisas. A relação de Auri com lugares e objetos é certamente única e nos dá um certo insight sobre estruturas importantes da narrativa, ou pelo menos de como o autor encara essas estruturas.

O principal é o jeito com que ela encara as coisas, os lugares, os objetos, tudo que não tem uma consciência evidente. Ela entende, ou pensa entender, o lugar próprio das coisas, seus sentimento e suas personalidades. O texto é mais filosófico, talvez, que uma narrativa. A sensação que tive com a leitura foi de ler um poema, me senti entendendo a cabeça da Auri mais que qualquer outra coisa. E é assim que acredito que o autor visualiza a cabeça de alguém de entende de verdade o nome das coisas e o papel das coisas no mundo.

Da mesma forma temos uma protagonista com um problema, um distúrbio. Uma protagonista que entrou em contato com um mundo novo e não consegue mais conciliar essa nova descoberta com o mundo antigo e parece ter resolvido se isolar. O conflito é dela contra si mesma e contra a ordem das coisas. É uma história sobre o funcionamento dela em sua casa com suas coisas, sua relação com o seu próprio mundo.

Copyright © (un)Known Reader | Powered by Blogger
Design by Duan Zhiyan | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com